Quem disse que Cinéfilos não tem bloquinho? Escolha o seu e vem curtir

Compartilhe

Alô amantes da Sétima arte que preferem o conforto do cinema ao invés da “tranquilidade” de dividir uma rua com duas milhões de pessoas semi-alcoolizadas embaladas por ritmos dançantes enquanto tomam bebidas de procedência duvidosa. Aqui vão dicas para aproveitar os próximos quatro dias! Explode Cinefilão!!!

 

Unidos do inferno cheio de boas intenções

Série: The Good Place

Uma sitcom leve, inteligente, original e super cativante, The Good Place conta a história de Eleanor Shellstrop (Kristen Bell), uma jovem que morreu atropelada por carrinhos de supermercado em um estacionamento e, no momento em que ela acorda, percebe que entrou na vida após sua morte, em uma criativa representação do que poderia ser o purgatório. Lá seu mentor Michael (Ted Danson) – vencedor do Critics’ Choice Awards 2017 como Melhor Ator de Comédia, por causa da série – informa que ela irá viver sua eternidade no “Lugar Bom” – um mundo onde ninguém amaldiçoa, fica bêbado ou fala palavrão e todos são sempre boas pessoas – devido às suas boas ações em vida. Porém, ela percebe que isso é um erro, pois ela nunca foi um exemplo de pessoa a ser seguida e, portanto, Eleanor encontra-se no dilema entre merecer ficar nesse lugar ou ir para o “Lugar Ruim”.

Porque escolher a série: Por ser uma sitcom inteligente, com humor ácido e com uma grande crítica social sobre o que é o bem e o mal e como as pessoas podem ser boas ou ruins, ou melhor, se existe mesmo essa forma de classificação entre o bem e o mal. Por ter um visual super colorido, bonito e agradável de se ver, além de ter uma produção caprichada, com ótimos efeitos especiais, fotografia e câmeras, diferente da maioria das sitcoms com produção mais modesta. Além disso, seu elenco é um show à parte, com atores que conseguem entrar no clima exagerado (proposital) dos seus personagens e nos trazer atuações convincentes e extremamente cativantes. Agora, a cereja do bolo desta série é o seu enredo, que começa simples, apresentando o mundo ao espectador e se desenvolve de tal forma que no final vai parecer que você conhece os personagens há anos.

Por isso que o bloquinho “Unidos do Inferno Cheio de Boas Intenções” é a sua pedida para este carnaval. Com humor e irreverência, esse vai ser o melhor bloquinho deste carnaval. E só digo uma coisa, o principal plot twist do enredo vai te surpreender!

 


Bloco futurista de um Passado que ainda vai acontecer!

Série: DARK

Para quem prefere passar longe da folia dos bloquinhos de carnaval e maratonar uma série na companha da Netflix, minha dica é a série Dark. Se você ainda não assistiu. prepara-se para um suspense bem feito e surpreendente, de origem alemã, que conquistou o mundo

Tanto que a segunda temporada já está confirmada para 2019. Não dá pra falar muito da história sem entregar alguns spoilers. Mas não leve em consideração as comparações com Stranger Things. Dark é mais sombria. Mesmo!.

Ah, e se por acaso você já viu, então, esse é o momento certo de rever capítulo por capítulo e conferir se não deixou escapar nenhum detalhe, que pode ser muito importante para criar suas teorias até a chegada da próxima temporada. Assista do início ao fim e do fim para o começo. E não se esqueça: quando se trata de Dark, a pergunta é sempre quando e não onde.

 


Bloco do “O Tempo Passou e eu sofri calado”

Série: Travelers

Segunda temporada Como já recomendamos aqui, sabemos que essa é uma série de ficcção científica, ação e drama que conta a história de que, em um futuro distante, a humanidade está vivendo aquele famoso período pós apocalíptico que várias outras mídias retratam, onde as condições de sobrevivência são minimas e os seres humanos tentam viver como podem, porém nesta série nós nunca vimos sequer uma cena de como é esse período futuro, pois a humanidade, para tentar se salvar desse sofrimento, descobriram uma forma de mandar suas consciências (todos os dados de sua mente) para o passado, substituindo a mente de pessoas que estariam a alguns segundos de sua real morte, seja ela por acidente ou por qualquer outro motivo, com o objetivo de tentar corrigir todos os acontecimentos que levavam a humanidade ao apocalipse e, consequentemente, salvar o futuro.

E esse passado, na realidade são nossos dias atuais. Na primeira temporada vimos esses viajantes (travelers) tendo que se acostumar com seus novos corpos, e realizando missões para que esse plano de salvar o futuro chegue cada vez mais próximo de se realizar. Agora na segunda temporada o foco muda um pouco, pois a narrativa da mais atenção às relações pessoais de cada um dos personagens e como eles tem que lidar e se acostumar a viverem nesses seus “novos” corpos, agora que sabem que pode ser algo pra sempre, pois eles, talvez, nunca mais voltem para o futuro.

Porque assistir a segunda temporada de Travelers? Porque é a continuação necessária a uma história incrível que foi desenvolvida na sua primeira temporada. Porque é uma série que faz uma ótima crítica a sociedade e como as pessoas tem (ou não) que se adaptar ao ambiente que vive para ser aceito. Porque nos faz pensar em como o ser humano pode ser nocivo ao seu ambiente e a ele mesmo. Porque é uma série muito bem produzida, filmada, com efeitos ótimos, com cenas de ação muito empolgantes e com uma narrativa que te conduz muito bem ao longo dos episódios (pelo menos na maioria deles). Pois se você quer um bloco único para passar o seu carnaval, Unidos dos Perdidos no Tempo é o que você precisa. Vem que a diversão é garantida! Ah, e está disponível na Netflix também ok?

 


Não sei o que bebi, mas acordei no corpo errado

Série: Altered Carbon

Quem frequenta as “folias” de carnaval está acostumado a acordar em casas, banheiras, carros, cidades e até em corpos diferentes dos seus. Mas não confunda esse plot deplorável com o universo incrível de Altered Carbon! Num futuro bem distante, mais precisamente em meados do século 25, a morte deixou de ser um problema para os seres humanos, pois a tecnologia já evoluiu a ponto de as pessoas poderem transferir suas consciências para novos corpos. Porém mesmo com tanta evolução intelectual, a moral dos humanos não acompanhou o avanço.  Dessa forma temos uma típica distopia cyberpunk, conceito e estilo formulado principalmente por William Gibson em Neuromancer, mas utilizado amplamente por Philip K Dick em seus diversos romances pós apocalípticos.

Este é o universo onde o agente Takeshi Kovacs (Joel Kinnaman) adquire uma nova capa (corpo sintético) para investigar o assassinato do multimilionário Lauren Bancroft. Altered Carbon, que também é um dos conteúdos originais mais caros já produzidos pela Netflix estreou há apenas uma semana e promete agradar aos fãs de universos pós apocalípticos e distopias cyberpunk.

 


Bloco dos que choram de rir quando ficam com medo ou levam sustos

Série de Filmes de Terror “Filme B” (Canal Brasil) 

série em longa-metragem já está disponível no Canal Brasil Play, inclusive para não assinantes. A série terá 5 telefilmes

Com linguagem de terror cômico, “Filme B”, que brinca com diversos aspectos de produções do estilo, como roteiro com personagens exagerados e irreais. Para matar a curiosidade dos que não querem esperar, o Canal Brasil Play está disponibilizando os dois primeiros episódios de hoje até dia 2 de março, inclusive para não assinantes. Os demais episódios poderão ser assistidos na plataforma apenas para assinantes do canal no dia seguinte à exibição.“

Nesta série serão 5 telefilmes de terror daqueles bem trash para deixar o seu carnaval assustadoramente animado. Os filmes são: “A Van Assassina”, “Bonequinha da Mamãe”, “O Vampiro da Paulista”, “Os Mutantes do Espaço” e “Entre Mortos e Vivos”.

 


Acadêmicos da Estatueta Dourada

Dá pra curtir os filmes do Oscar também, estão em cartaz nos cinemas diversos longas que estão concorrendo a premiação, incluindo:

A Forma da Água – Guilhermo Del Toro

Crítica: A Forma da Água flutua em poesia, mas não se decide sobre qual história contar

 

The Post: A Guerra  – Steven Spielberg

Crítica: The Post é um capítulo importante de uma guerra que nunca terminou

 

Eu, Tonya – Craig Gillespie (lembrando que esse filme estreia oficialmente dia 15, mas em algumas salas de cinema já estão passando) 

Crítica: Com roteiro criativo, Eu, Tonya é a cinebiografia insana que você precisa assistir

 

O Destino de uma Nação

O Destino de uma Nação | Crítica – Gary Oldman já é Globo de Ouro 2018

 

O Insulto – Ziad Doueiri

O ótimo filme libanês está concorrendo ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e com todos os méritos merece estar entre os cincos finalistas, O Insulto também estreou nesse fim de semana carnavalesco. Vale a pena conferir um dos indicados estrangeiros ao Oscar!

Crítica: O Insulto e as feridas da intolerância sem fim

 

Tá liberado fazer maratona virando as madrugadas e comer tudo quanto for besteira, nos vemos na quarta-feira de cinzas!

 

 

Compartilhe

Apenas um homem que faz tudo pela "família", Publicitário, crítico de Cinema e fundador do Cinéfilos Anônimos, bom em fazer propostas irrecusáveis e Lasanhas bolonhesa.