Crítica: Ford vs Ferrari mostra uma disputa que fortaleceu uma grande amizade.

Uma biografia com muita qualidade e velocidade mostrando uma parceria de muito sucesso vivida entre o designer de carros esportivos Carroll Shelby (Matt Damon) e um dos pilotos mais casca grossa de todos os tempos, Ken Miles (Christian Bale). Dessa parceria nasceria o Ford GT 40 que retirou a supremacia da escuderia italiana, Ferrari do circuitos de Le Mans.

Uma história de profunda amizade.

Essa história fala muito mais sobre a amizade desses personagens e a paixão que eles tinham pela velocidade do que a briga entre Ford vs Ferrari. Essa briga acabou servindo como pano de fundo para que os amigos pudessem fazer o que mais gostavam de fazer juntos: disputar provas de velocidade. Como parte fundamental para o sucesso dessa parceria estava Mollie Miles (Caitrona Balfe), a esposa e parceira de Ken Miles.

O diretor James Mangold teve muito cuidado para usar o mínimo de efeitos de computação gráfica nos acidentes comuns em Le Mans, criando verdadeiras catapultas para arremessar veículos de verdade e assim criar a sensação de perigo real. Além disso, uma pesquisa refinada nas fotos que a imprensa publicava na época ajudaram a compor as mesmas propagandas nos boxes e nas corridas. Assim foi possível reproduzir fielmente a corrida de 1966.

Christian Bale fez um ótimo laboratório para interpretar o piloto Ken Miles. O cuidado com as expressões britânicas e o sotaque carregado, além do emagrecimento e da postura deixou o papel se transformar em uma homenagem ao piloto que foi referência de uma geração.

Christian Bale interpreta Ken Miles.

A fotografia de Ford vs Ferrari merece pódio.

A fotografia consegue impressionar também. Mesmo em se tratando de um filme de corrida, onde basicamente você tem autódromos tomando grande parte das cenas, a importância de um bom diretor de fotografia é fundamental para não criar cenas óbvias o tempo todo. O recurso fotográfico mais utilizado foi a mudança de foco, então na mesma cena era possível dar atenção em dois lugares diferentes apenas alternando o foco. O foco também foi importante para que cenas importantes não tivesse qualquer desvio de atenção.

Câmeras fixas na frente dos carros fizeram com que os espectadores se segurarem em suas poltronas por diversas vezes. É um tipo de filme que empolga e diverte muito.

 

A paixão pela velocidade está presente em cada etapa do longa.

No início do filme, mostra duas histórias paralelas se desenvolvendo. Mostrando como estava a vida de Shelby e de Miles antes da fama, ao mesmo tempo em que relatava a tentativa de Henry Ford II (Tracy Letts) de evitar uma falência da empresa criada por seu pai. No segundo ato, a Ford Motors já está trabalhando com a dupla passando por cada etapa para criação e aperfeiçoamento de motores e da carroceria adequada para se vencer provas. As cenas noturnas de corrida são realmente incríveis.

Esse filme chega em boa hora, pois nesse ano em 2019, os brasileiros, André Negrão, Daniel Serra e Felipe Fraga venceram as 24 horas de Le Mans fazendo a prova ter a bandeira verde amarela em três das duas quatro categorias. Perdemos apenas para Fernando Alonso que participa da categoria principal.

 

Curiosidade de Cinéfilo: Será que escolheram o Christian Bale para ser o piloto por sua experiência no Bat-móvel, e não queriam deixar o Gênio Indomável do Matt Damon sem um aplicação louvável?

 

Visite o site oficial do filme Ford vs Ferrari. Clique aqui.

 

Miles e Shelby

 

Vídeo Crítica

 

Avaliação do Cinéfilos Anônimos
Avaliação dos Visitantes do site
[Total: 0 Média: 0]

Professor de exatas e músico baterista, sempre trabalhou com tecnologia como desenvolvedor. Leitor de quadrinhos de heróis e livros de ficção. Como fã da série Star Trek absorveu a lógica do Sr Spock e muito do comportamento social presente nos capitães das naves da Federação. Vida e longa e próspera a todos.