Crítica | Infiltrados na Klan é uns corres pesado que rolou na real.

Compartilhe

Em uma sociedade norte americana no final dos anos 1970 um negro entra para polícia e com a ajuda do seu departamento eles se tornam Infiltrados na Klan. Portanto eles se infiltram na Ku Klux Klan (KKK), uma organização racista de ódio a qualquer referência a cultura afrodescendente presente nos Estados Unidos. Infelizmente essa é uma organização que ainda existe nos dias de hoje.

A ideia de usar o figurino e estilo black power faz com que essas ideias preconceituosas pareçam coisas do passado. Entretanto várias agressões verbais usadas comumente entre os racistas estão presente no filme, e podem servir para todos os tipos de preconceitos. Certamente todos já ouviram algumas dessas frases mostrando como esse roteiro está mais atualizado do que nunca.

Trilha sonora poderosa da Black Music.

A trilha sonora está impecável com a riqueza dos clássicos da Black Music. Não dá pra ficar parado sem curtir as batidas que fizeram a cabeça do mundo. Ao mesmo tempo em que o Spike Lee mostra o tamanho da importância da cultura africana na nossa cultura de colônias europeias, ele também mostra como algumas pessoas se juntam de forma alienada e procuram motivos que justifiquem seus atos cruéis contra os negros de forma gratuita.

Infiltrados na Klan é uma comédia difícil de se gargalhar.

Topher Grace é David Duke

O roteiro é baseado em uma história real e é interessante por permitir que Ron Stallworth (John David Washington) um policial negro no estado do Colorado em 1978 se infiltre na Ku Klux Klan, e para isso ele entra em contato com a organização por carta ou telefone até que sua presença física precisa acontecer, nessa hora ele chama seu parceiro branco, Flip Zimmerman (Adam Driver) para agir como se fosse o Ron Stallwoth nas reuniões com o próprio David Duke (Topher Grace) que é conhecido na vida real como um icônico político racista norte-americano.

É uma ideia bastante inusitada que daria para encher de esquetes engraçadas. Mas apesar do humor ácido de Spike Lee, os diálogos nas reuniões da KKK são muito pesados e se você se envolver na trama como um dos infiltrados vai acabar não achando muita graça em nada. Alguns diálogos chegam a causar náuseas ao expectador que não pode fazer nada além de assistir ao filme.

O diretor consegue prender o expectador o tempo todo sem esconder o seu lado político e social na obra.

John David Washington

John David Washington

Infiltrados na Klan também esteve na 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Esse filme tenta fazer o mundo olhar para o próximo de forma menos desigual. Infiltrados na Klan é mais um representante afrodescendente no Oscar 2019, assim como o Pantera Negra. Conheça todos os indicados do Oscar 2019.

Indicado a seis estatuetas entre elas melhor filme, ator coadjuvante para Adan Driver, melhor direção para Spike Lee.

 

Receba as novas críticas direto pelo Whatsapp: CLIQUE AQUI e se inscreva no grupo.

Trailer:

 

Avaliação do Cinéfilos Anônimos
Avaliação dos Visitantes do site
[Total: 1 Média: 5]

CONTEÚDO RELACIONADOS

Compartilhe

Professor de exatas e músico baterista, sempre trabalhou com tecnologia como desenvolvedor. Leitor de quadrinhos de heróis e livros de ficção. Como fã da série Star Trek absorveu a lógica do Sr Spock e muito do comportamento social presente nos capitães das naves da Federação. Vida e longa e próspera a todos.