Crítica: Parasita mostra como diferenças sociais podem gerar bons suspenses.

Nós chamamos de parasita qualquer ser estranho que invade o corpo de outra espécie e passa a se alimentar dos nutrientes do hospedeiro ao ponto de detonar a vitalidade e a saúde da vítima, podendo até levar ao óbito. Quando o hospedeiro morre, o parasita se vê obrigado a buscar um novo hospedeiro e assim continuar um novo ciclo.

Família Parasita x Família Hospedeira

O filme utilizou a metáfora adequadamente quando identificou uma família se aproveitando dos recursos existentes em outra família. Mas como o parasita escolhe vítimas de outras espécies, o mesmo aconteceu no longa, afinal a família parasita possuía uma classe social muito inferior a classe da família hospedeira. A diferença de classe é um tema muito destacado e importante para a trama.

O jovem Kim Ki-woo (Woo-sik Choi) é integrante da família parasita que consegue trabalhar na casa da família hospedeira e logo em seguida ele consegue empregar todos os membros da sua família na mesma casa. Seu pai Kim Ki-taek (Kang-ho Song) ganha a confiança de todos os hospedeiros e demonstra que é o principal responsável pelo comportamento parasita da família. As duas famílias tem o mesmo número de integrantes e mesma configuração, com pai, mãe, filho e filha.

Suspense do meio para o fim.

Usando uma trilha e efeitos sonoras muito bem executados que casaram muito bem com as cenas de suspense, o filme ainda conta com cenas em Slow Motion e muitas cenas panorâmicas para aumentar a percepção das diferenças sociais. O filme inicia com tons de bom humor, quase podendo ser considerado uma comédia. Entretanto existe uma reviravolta incrível no meio do filme que muda o humor de todos. O suspense é elevadíssimo quando existe a possibilidade da família hospedeira descobrir a respeito da família parasita. A partir daí é suspense até o último segundo.

O diretor e roteirista Bong Joon Ho, foi muito cuidadoso em sua forma de contar essa história. Mas talvez o excesso de Slow Motion tenha retirado parte do tempo necessário para aprofundar um pouco mais na conclusão. Basicamente o filme possui dois cenários que se alternam, iniciando na casa dos parasitas que fica nos fundos de um bairro de periferia, e logo em seguida passando para a mansão de alto padrão dos hospedeiros. O discrepância social é tanta que a mansão dos hospedeiros chega a ter um búnquer imenso, capaz de abrigar a família toda em caso de perigo, enquanto que a casinha onde os parasitas moram na periferia caberia em um dos quartos da mansão.

Vale a pena conferir, se você gosta de suspense é imperdível.

 

Esse filme esteve na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

 

Avaliação do Cinéfilos Anônimos
Avaliação dos Visitantes do site
[Total: 0 Média: 0]

Professor de exatas e músico baterista, sempre trabalhou com tecnologia como desenvolvedor. Leitor de quadrinhos de heróis e livros de ficção. Como fã da série Star Trek absorveu a lógica do Sr Spock e muito do comportamento social presente nos capitães das naves da Federação. Vida e longa e próspera a todos.