Logan Lucky – Roubo em Família | Resenha

Compartilhe

Elenco é o ponto forte do novo filme de Steven Soderbergh.

Após ser demitido, Jimmy Logan (Channing Tatum) procura seu irmão, Clyde (Adam Driver), e pede que ele lhe ajude a roubar um cofre localizado bem abaixo do autódromo da cidade, aproveitando que os sensores sísmicos foram desligados devido às obras no local realizadas justamente pela empresa que Jimmy trabalhava. Para tanto, eles precisam da ajuda de Joe Bang (Daniel Craig), especialista em explosivos, que está preso. Com isso, os irmãos Logan elaboram um plano para que Joe deixe a prisão sem ser notado, de forma que possam realizar o trabalho.

Apesar ser um filme com uma temática bem conhecida, e divertida, ele abusa de um problema comum em filmes deste tipo. Especialmente no terceiro ato, um artifício de roteiro que permite que os mocinhos sempre saiam sãos e salvos de uma enrascada, o torna maçante e repetitivo em alguns momentos.

Contudo, o diretor Steven Soderbergh (Doze Homens e um Segredo, Doze Homens e Outro Segredo) desenvolve uma trama ágil e sem tantos personagens, o que fez com que as relações fossem mais exploradas e profundas, dando alguns tons dramáticos em uma história essencialmente cômica, apesar de não ser muito original. A escolha do elenco é genial e Daniel Craig, entrega uma de suas melhores e mais divertidas atuações, deixando de lado o forte sotaque britânico e dando vida a um legítimo caipira do interior dos EUA.

Outro ponto forte do longa é o cansaço dos irmãos perante a um fracasso involuntário que sempre os rondou: ambos possuem deficiência, já que Clyde perdeu o braço no Iraque e Jimmy ficou coxo enquanto trabalhava em  uma obra. Com isso, o filme satiriza o idealismo por trás do “sonho americano” e todos os fetiches hollywoodianos, deixando claro que o destino não depende tanto apenas de nossa força de vontade, como dizem os discursos de auto ajuda.

Em meio a piadas e momentos engraçados, a essência da trama está na família Logan, na relação entre os irmãos e irmã Mellie (Riley Keough), no amor entre Jimmy e a filha, que participa de concursos de beleza infantis, mas também sabe os nomes de todas as ferramentas do pai, e na cultura de uma pequena cidade, cuja população está mais preocupada em como trazer comida para casa do que com o que acontece com o resto do país.

“Logan Lucky” é um filme que une o americano regionalista conhecido como redneck , o mundo da Nascar e suas caricaturas e usa do inusitado para contar uma história, ainda que muito pautado no estilo Robin Hood.

 

 

Avaliação do Cinéfilos Anônimos
Avaliação dos Visitantes do site
[Total: 0 Média: 0]

CONTEÚDO RELACIONADOS

Compartilhe

Colaboradora do Cinéfilos Anônimos, 31 anos, jornalista. Amante dos animais, da sétima arte e de todas as outras