Crítica: Rápido e certeiro, Missão Impossível: Efeito Fallout é o melhor filme da franquia

Compartilhe

“Sua missão, caso aceite, é conferir um dos filmes mais divertidos e insanos da franquia”

Corridas em telhados, fugas velozes pela cidade, acrobacias nas alturas, escalada sem equipamento e o bom e velho jogo de espiões recheados de reviravoltas e controvérsias, estes são os elementos essenciais quando se trata de um filme Missão Impossível e, este último não deixa por menos, pelo contrário.

O que te faz tremer, suar as mãos e segurar o fôlego mesmo sabendo que o mocinho em perigo vai dar conta do recado?

O nome disso é Missão Impossível.

Já em seu sexto longa, Missão Impossível: Efeito Fallout parece recuperar a sobriedade, se é que esta palavra é adequada nesses filmes, mas o ponto é, a nova aventura de Ethan Hunt explora as cenas de ação no ponto certo e não cai na armadilha de querer ser sempre mais improvável, forçar a barra ao ponto do expectador passar do fascínio para o deboche, Efeito Fallout ganha no roteiro e no ótimo trabalho do Diretor Christopher McQuarrie, que sabe posicionar sua câmera para tirar o máximo de proveito e impacto de uma cena, de suas locações e dos detalhes que compõe e importam para a trama, tudo muito veloz, mas não picotado, com tempo suficiente para ser crível, mas não para que os efeitos especiais não sustentem.

Ethan Hunt recebe a missão de impedir que um ataque nuclear aconteça, para isso terá que evitar que uma carga de plutônio caia em mão erradas, claro, contando com sua equipe, composta pelo fiel e amedrontado Benji (Simon Pegg) e o grandalhão Luther (Ving Rhames), mas quando o plano dá errado Ethan provará mais uma vez que nada é impossível.

Mas e o Superman de bigode?

Pois é meus amigos, o “bigodeman”(Henry Cavill) traz uma atuação parruda, divertida, misteriosa e confiante, num papel forte, seguro de si, mas que acima de tudo está ali para que as ações de Hunt não saiam do controle (como sempre não é). Atualmente cotado para interpretar o novo 007, Cavill ganha pela força e pelo charme, tudo que um agente secreto precisa ter.

O Efeito Tom Cruise

Este senhor de 56 anos de idade, que dispensa dublês, pilota suas motos, carros, escala, salta de prédios (e se quebra durante as filmagens) e consegue manter o mesmo ritmo de seus primeiros filmes, Tom Cruise parece não interpretar mais Ethan Hunt, ele vive Ethan Hunt, respira e se diverte como poucas pessoas já tiveram a oportunidade. Cruise não parece preparado para passar o bastão, mas em alguns momentos já é possível reconhecer que suas aventuras radicais podem estar se encaminhando para um desfecho próximo.

Pontos Positivos e Negativos

Os diálogos são expositivos em alguns momentos, subestimam ou poupam o expectador de ligar os pontos necessários, o plot soa confuso e a grande ameaça repete a velha fórmula já batida, não traz novidade, mas funciona bem, afinal, tudo gira em torno da sobrevivência do protagonista tentando salvar o mundo.

Missão Impossível 6 foge da megalomania, entrega um dos filmes mais divertidos da franquia, referência a si mesmo e arranca o fôlego em cenas muito bem construídas, explora muito bem suas locações, traz um ritmo frenético e um visual arrojado, acompanhado de uma trilha que manipula em muitos momentos a expectativa e as emoções de seu público em poucas batidas conhecidas, dadas em momentos oportunos.

Méritos também para o retorno de Sean Harris no papel do vilão Solomane Lane, frio e calculista, dá o toque perfeito a trama e une pontas como o elo com Ilza(Rebecca Fergusson) e até mesmo a pequena rincha com Benji.

Vale a pena?

Missão Impossível: Efeito Fallout é um grande show, entrega uma história divertida e interessante, pondera mas não se limita nas cenas de ação e consegue mesmo no sexto filme, causar uma imersão surpreendente, capaz de unhas ruidas, tremedeiras e corações acelerados como as próprias corridas de Ethan Hunt.

 

 

Avaliação do Cinéfilos Anônimos
Avaliação dos Visitantes do site
[Total: 2 Média: 5]

POSTS RELACIONADOS

Compartilhe

Apenas um homem que faz tudo pela "família", Publicitário, crítico de Cinema e fundador do Cinéfilos Anônimos, bom em fazer propostas irrecusáveis e Lasanhas bolonhesa.