Crítica | Titãs cria um clima cheio de violência que nos prende até o fim

Titãs é uma série que nasceu polêmica. Não há dúvidas que arriscar mudar todos os figurinos e etnias dos personagens fez com que fãs criticassem a série antes de estrear. Mas ela veio pra provar que nem sempre fidelidade é igual a qualidade.

O figurino da série é elaborado para se encaixar no tom que o programa se propôs. Dentro da história não seria possível que um cara verde ou uma mulher laranja saíssem na rua normalmente… Sem contar que o mistério que a série possui não faria total sentido se esses personagens não tivessem uma cor normal. Você nem sente falta dessas coisas, afinal desenhos são desenhos, séries são séries (me desculpem fãs).

E falando no assunto, que série boa! Logo de cara a gente já percebe que o tom vai ser completamente diferente do que estávamos acostumados sobre os Titãs. E isso foi uma grata surpresa. Aqui temos sangue e violência explícita dentro de sequências de ação muito bem dirigidas. E esse é um dos principais acertos, pois deixa a série com um clima bom o suficiente para atrair tanto os fãs quanto o público em geral.

A trama gira em torno de Ravena que busca por respostas de sua origem. Ela tem visões com Dick, o Robin, e quando o destino faz ambos se conhecerem, A jovem vê nele alguém em quem pode confiar. Ele passa a ajudá-la em sua jornada, fazendo alguns amigos pelo caminho. Todo esse mistério funciona muito bem. A cada episódio é apresentado um elemento novo que faz a trama criar um ritmo muito bom de acompanhar. Tudo isso nos deixa muito interessados em saber como vai ser o desfecho dessa aventura.

Pena que a conclusão seja decepcionante. O último episódio tem referências legais, mas é praticamente um filler que tira de foco dos titãs indo por um caminho que não precisava. Aliás, o roteiro viaja legal em muitos episódios, com personagens tomando atitudes estúpidas e momentos bem duvidosos. Como um envolvendo um acidente de carro que visualmente funciona, mas no papel soa ridícula.

A primeira vez que vemos os Titãs em ação juntos é bastante broxante, pois nem todos ainda conseguirem usar seus poderes. Isso até podemos relevar como início de jornada e que não pode se repetir no futuro.

Os efeitos especiais pouco convencem. Tem momentos onde eles fazem um personagem dar saltos enormes que, se fosse feito com dublês, poderia ser mais bonito. O Tigre que o Mutano se transforma não é muito bem feito e as batalhas que o envolvem possuem pouca emoção. Com exceção do episódio 7.

Sobre os personagens, até os menos desenvolvidos tem seu momento de relevância. É interessante ver como todos estão buscando suas identidades. Robin não sabe que tipo de herói ele quer ser; Estelar perdeu a memória e busca por respostas; Ravena quer saber o que deu origem à sua maldição; Mutano, mesmo sendo o menos relevante é carismático o suficiente para sua presença ser sentida.

Mesmo com problemas de roteiro, Titãs trabalha bem seus personagens e cria um clima violento o suficiente para nos deixar com vontade de ver até o fim. Pena que quando chega nesse fim, a série foca no lugar errado deixando toda a empolgação em segundo plano.

 

Obs: O episódio final tem uma cena pós créditos bastante curiosa…

 

 

Avaliação do Cinéfilos Anônimos
Avaliação dos Visitantes do site
[Total: 1 Média: 5]

Fã de cinema desde que nasceu e não tem muita paciência com séries, mas tem um fraco por sitcoms. Acredita que o Chandler de Friends é uma versão dele mesmo em algum lugar do multiverso.